• mala
  • twitterocaricato
  • passaport
  • Bilhetes comentados

  • O que há por detrás do Cristo?

     

    Com licença, vou à zona…

    Putas e puteiros revelam tudo o que rola por dentro das paredes (manchadas) das zonas da cidade

     zona

    por Roberto Schiavon             

     

    “O que eu ‘ouvo’ aqui, não saio contando por aí”, disse a moçoila, soltando junto com a frase uma baforada do cigarro mais barato do mundo. A pérola, que fechou uma longa teoria sobre os perigos da falsidade em ambientes de trabalho, foi dita numa noite quente do verão araraquarense, por uma prostituta atuante em casa noturna que fica atrás do Cristo.

    Mais que a falta de cultura da mulherada da zona, o erro de português simboliza o contraste entre o divertido e o deprimente, que convivem em harmonia dentro das casas de prostituição.

    “Não dá pra levar nada a sério lá dentro. Mesmo porque, na maioria das vezes, vamos à zona tão bêbados que nem conseguimos lembrar de nada depois”, definiu Clark Gable, ao ser perguntado sobre a sensação de se deparar com algumas cenas tristes ao longo das noitadas na zona.

    Ele foi um dos entrevistados pela revista O Caricato, que não quiseram revelar os nomes verdadeiros e nem ser fotografados, mas contaram algumas curiosidades sobre o mundo que pulsa na marginalidade de Araraquara.

    As histórias, narradas por puteiros e ex-puteiros profissionais (será que existe ex-puteiro?), assim como garotas de fino trato e madames proprietárias de casas de tolerância, revelam um mundo ao mesmo tempo tentador e escravizante, mas que, no final das contas, não deve ser levado tão a sério.

    “Conheci um cara que tirou a mulher da zona. Alguns amigos com quem ele ia pra lá chegaram a comer a atual esposa dele de graça. Mas, mesmo assim, ele casou-se com ela e hoje os dois têm um filho”, revelou Humphrey Bogart, 27 anos.

     

    Opção

     

    Outro antigo cliente acredita que as boates detrás do Cristo ou as chácaras da Estrada do Ouro são as melhores opções da noite local. “Esta cidade tem boates e bares que não diferem em nada do que se vê na zona. A diferença é que lá existe menos hipocrisia, porque a relação comercial é assumida”, comentou Marlon Brando, 26 anos.

    Um outro colega dessa turma antiga de puteiros de zona, todos com idades entre 25 e 29 anos, acredita que as garotas de programa (as assumidas e não as que estão nas ruas) são mais divertidas, pois sempre estão dispostas a “fazer tudo para agradar os homens”. “Se bem que atualmente perdeu um pouco a graça ir à zona, porque muitas vezes as putas são mais ‘frescas’ que muitas meninas que a gente pega na rua”, disse.

    “Realmente a concorrência das menininhas que andam por aí pela rua está ficando desleal. No final das contas, elas acabam cobrando mais barato, porque o ‘pograma’ fica só pelo motel e uns ‘gorózinho’. E ainda por cima fazem mais putaria que a gente, que está aqui apenas pra tentar ganhar uma graninha honesta”, desabafou Britney Spears, de 19 anos.

    Alguns dos que resistem e continuam indo com lealdade quase religiosa à zona, confessam que não perdem a mania porque são românticos e acreditam na putaria feita à moda antiga, quando a moça ainda pedia uma dose de martini para a mesa e dançava um bate-coxa com o cliente antes de pegar a chave do quarto para fazer um “amorzinho gostoso”. “Na rua, as coisas são feitas rápido demais. Não dá nem pra gente namorar um pouquinho antes”, confessou Rodolfo Valentino, 29 anos, que se diz um romântico irrecuperável. “A zona é o último reduto do amante à moda antiga”, completou, com olhar sonhador.

     

    Bebedeiras

     

    Alguns dizem ter parado de ir às boates alternativas da cidade, porque aquilo não faz mais sentido sem a ajuda de alguns aditivos, como o álcool em exagero, principal desculpa para várias cagadas cometidas nas noites da vida. “Hoje não bebo tanto e, por isso, perdi o interesse”, disse Rock Hudson, 28 anos, que jura nunca ter feito sexo na zona. “Eu ia apenas para beber e dar risada, porque a mulherada é muito engraçada”, soltou, sem que seu rosto corasse.

    Em alguns casos, os vícios da bebida e do sexo acabam se misturando como pinga e limão, como acontecia com Peter O’Toole, 29 anos. Ele conta que existia um inferninho exatamente no meio do caminho entre sua casa e o bar que frequentava e, por isso, acabava sempre entrando na zona quando estava voltando do boteco. “Eu voltava pra casa a pé e geralmente estava tão bêbado, que acabava parando na zona pra dar uma ‘descansada’. Mas, àquela hora da noite, a mulherada me parecia tão linda que eu já fazia besteira”, declarou.

    Um outro cliente disse que, certa vez, estava tão bêbado que acabou dormindo na cama de uma prostituta, sem que os dois fizessem nada, e acordou no meio da manhã seguinte, atrasado para o trabalho. “Eu saí de lá direto para trabalhar, com a mesma roupa. Lavei o rosto na pia do banheiro do escritório e fiquei ali olhando para o monitor do computador até a hora do almoço, com a maior cara de pau”.

     

    Bizarro

     

    O álcool pode servir como desculpa para se fazer muita besteira, mas talvez um gosto maior pelo bizarro seja o ingrediente principal de alguns casos contados por Iris, 62 anos, uma das mais famosas e antigas proprietárias de zona da cidade. “Alguns clientes fazem questão que as meninas levem para o quarto certos brinquedinhos, como vibradores, que são usados neles mesmos”, revelou Iris, com um grande sorriso iluminando seu rosto, idêntico ao de uma Jodie Foster envelhecida por séculos de noites mal dormidas.

    Entre um e outro gole de cerveja, ela foi contando algumas das experiências vividas ao longo de sua estrada noturna. Lembrou-se do caso de um velhinho, com seus quase noventa anos, que chegava à zona andando com a ajuda de uma bengala, mas, entre quatro paredes, se transformava em um amante voraz. “As meninas me contavam que, dentro do quarto, ele arrancava as roupas e transava como um moleque de 20 anos, com ereção perfeita e disposição para aguentar quarenta minutos sem parar. Acho que isso é coisa de espírito encarnado”, comentou.

    A prostituta Christina Aguilera, 24 anos, contou que uma vez um homem foi ao quarto com ela, pediu que ela ficasse em pé, na frente dele, somente de calcinha e sutiã, e ficou deitado na cama, apenas batendo uma bronha. “Depois que terminou de se masturbar, conversamos um pouco e ele foi embora. Pagou direitinho no caixa e saiu da boate. Acho que estava longe de casa, solitário, mas era muito fiel à esposa”, comentou.

     

     

    Emprego

     

     

    Algumas meninas dizem que estão trabalhando na zona apenas até encontrarem um emprego melhor, ou até juntarem algum dinheiro para voltar a estudar, mas a maioria das que estão na ativa há mais tempo sabe que dificilmente elas voltam a ter uma vida considerada normal após sua temporada na noite. “A gente acaba se acostumando com essa vida. Muitas vezes a família nem imagina o que fazemos aqui”, disse Mary Louise Ciccone, 21 anos. Ela veio de Goiânia (GO) para a cidade há dois anos, em busca do emprego de dançarina em uma boate, por indicação de uma colega que está aqui há mais tempo. “Minha família acha que eu sou vendedora. Mas eu sou mesmo, né? Só não falo que é o meu corpo que eu vendo”, concluiu.

    Seja por causa de bebedeira, solidão, ou para ter seus desejos mais bizarros satisfeitos, hoje à noite uma turma de homens de todas as idades estará novamente indo à zona. Lá, a mulherada vai dançar agarradinho, as doses de martini vão descer goela abaixo, a caixa registradora vai tocar aquela musiquinha tão agradável aos ouvidos dos gigolôs, a jukebox vai disparar os mais recentes sucessos das duplas sertanejas do momento, o tímido se sentirá desejado e a moça que um dia foi recatada acreditará que mais uma etapa foi cumprida em busca de seu sonho de infância. Todas elas estarão de banho tomado e aguardando ansiosamente os clientes, dispostas a beber, rir e negociar sexo por dinheiro, porque sabem que estes são os principais combustíveis para que o mundo continue girando. 

    publicado originalmente em
    | O Caricato | número 3 | outubro/2003 |

    Mais Matérias

    « | Inicio | »

    

    2 Comentários to “O que há por detrás do Cristo?”

    1. jose luiz comentou:
      12 outubro 2011 as 4:21 pm

      logico,na grande maioria das veses ,as pesoas sempre procuram um motivo p/ justificar suas atitudesse ,se escondem ,mas se nao fosse assim ?
      nao tria puta ,travesti ,enfim ,deixa correr solto ,eu entendi isto ok

    2. Tiesto comentou:
      13 fevereiro 2013 as 6:39 am

      “A zona é o último reduto do amante à moda antiga” foi fantástico! kkkkkkkkkkkk

    Comentários